“A violência não se combate com a arma. A violência se vence com uma nova postura” diz Dom João Cardoso na 3ª marcha pela paz em Bom Jesus da Lapa

Uma multidão vestida de branco, integrada por jovens e adultos,  saiu às ruas de Bom Jesus da Lapa na manhã de terça-feira(15) na 3º Marcha pela Paz, para dizer não a violência e para defender a vida”, com o grito “a Lapa pede Paz, violência nunca mais!”

O público composto por estudantes e professores da Rede Municipal, Estadual, da Universidade Federal do Oeste da Bahia (UFOB), do Instituto Federal da Bahia(IFBA), da Universidade do Estado da Bahia(UNEB) e os seguimentos da Igreja Católica, Igreja Evangélica, Centro Espirita, Maçonaria, Guarda Municipal, Corpo de Bombeiros Civil, Guarda Municipal, Polícia Militar, Polícia Civil, Câmara de Vereadores e a Prefeitura Municipal se reuniram frente a Loja Maçônica Luz e Liberdade, seguindo para  Praça Marechal Deodoro da Fonseca, onde foram feitas apresentações e encerrando com um grande abraço coletivo,onde todos deram as mãos em defesa da Paz.

 

 

 

 

No uso da fala, o Bispo de Bom Jesus da Lapa e representante da igreja católica ,Dom João Cardoso, falou que não se constrói a paz com mais violência. “A violência não se combate com a arma. A violência se vence com uma nova postura, com uma nova vitalidade, que é a vitalidade da paz. Com a arma vamos instaurar a guerra, multiplicando mais a violência”, e finalizou: precisamos ser promotores da paz”.

O movimento “Marcha pela Paz” teve início em 2016, quando foi criada a Comissão Permanente pela Paz, formada pela Loja Maçônica Luz e Liberdade, Loja Maçônica Acácia Lapense, Centro Espírita Obreiros do Porvir, Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Câmara dos Dirigentes Lojistas, Igreja Católica e Comunidade Evangélica.

O grupo vem buscando junto ao poder público encontrar soluções para reverter o quadro negativo sobre segurança e justiça enfrentado pela população de Bom Jesus da Lapa, debatendo e buscando criar alternativas políticas junto ao poder municipal e estadual que resultem em soluções efetivas de direitos, justiça e paz.

Compartilhe

Deixe seu comentário

Menu